BUSCAR POETAS (A LA IZQUIERDA):
[1] POR ORDEN ALFABÉTICO NOMBRE
[2] ARCHIVOS 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª 6ª 7ª 8ª 9ª 10ª 11ª 12ª 13ª 14ª 15ª 16ª 17ª 18ª 19ª 20ª y 21ª BLOQUES
[3] POR PAÍSES (POETAS DE 178 PAÍSES)

SUGERENCIA: Buscar poetas antologados fácilmente:
Escribir en Google: "Nombre del poeta" + Fernando Sabido
Si está antologado, aparecerá en las primeras referencias de Google
________________________________

lunes, 12 de septiembre de 2011

4864.- IRENE LISBOA

IRENE LISBOA
Nacida en Arruda dos Vinhos, se formó en la Escuela Normal Primaria de Lisboa, dedicándose a la enseñanza infantil, después de estúdios especializados en Bélgica, en Francia y en Suiza. Colaboró intensamente en presença, usando durante algún tiempo el seudónimo de João Falco. En su poesía como en sus crônicas y novelas, de tono intimista, busca una expresión natural y discreta, cercana a la oralidad, que se manifiesta desde sus primeros libros, Um Dia e Outgro Dia — Diário de uma Mulher (1936),y Outono Havias de Vir Latente Triste (1937), prolongándose en una obra en que la sensibilidad feminina se abre com pequeñas nadas de la vida cotidiana, con una acuidad de observación y meditación que capta la realidad subjetiva y objetiva en sus mínimas expresiones.




Traducción de Roldolfo Alonso



PEQUEÑOS POEMAS MENTALES

Mental: nada, o casi nada sentimental.

I

Quien no sale de su casa,
no atraviesa montes ni valles,
no ve eras
ni mujeres de cântaro,
ni hombres de mayal en ristre, sudados,
quien vive como la araña en su redondel,
cría mil ojos para nada.
¡Mil ojos!
Impecables.
Y hoy dice: odio.
Ayer diría: amo.
Pero odia, odia com indômitos odios.
¡Y si se aplaca, cómo halla el tiempo pobre!
Y la lbertad inútil,
inútil y vana,
riqueza de miserables.


II

¡Cómo siempre, han de llegar, desde los tiempos!
Voces, saludos, jadeantes entradas.
¿Pero qué va a runiros, pensamientos?
¿Llegaréis a existir, pensamientos?
Es pobable, mas desconfiados e inválidos,
Rezongando estúpidos, como perros.

¡Oh, aquietáos, inútiles!
Volved como los los perros de las quintas
al punto de partida, decepcionados.
Y ocultáos tristones, quejosos, desinteresados.


III

Ese gesto...
Ese desánimo y esa vanidad...
La vanidad herida me conmueve.
¡Me conmueve el ser herido!

¡La vanidad no es generosa, es egoísta,
Pero llega a ser bella, y curiosa!
Y sobre odo así abatida...
Me enternece, francamente.

Sutil
la mano mia que, creo, ridiculizas,
cuya suavidad desconoces,
te cierra pacíficamente los ojos
y aquieta benignamente el aire.
Flota sobre tu cabeza, móvil, floja,
en la práctica de un viejo rito,
femenino, piadoso, desconocido e inconfeso.


IV

¡Oh lujuria brutal, perversa y felina,
se los otros, ajenas,
sin pensamientos ni reposo!
retírame de la frente el venenoso cáliz,
tu ponzoña endulzada.
Que tu muerte, el nirvana, la indiferencia
de los larguísimos años sin sobresaltos, me retome.

Abro los brazos y mido: aqui, allá... aquí, allá...
¡soledad, infinita soledad!
Y em este movimiento, em este balanceo, me adormezco.
Aquí,a..., muerte, via... muerte, vida...
Todas las ausencias, todas las negaciones.


V

Los poetas se saludan, delicados.
Cada uno con su metro, su espíritu, su forma;
sus credenciales...
¡Pero son simpáticos los poetas!
Sensibles, femininos, curiosos.
Los envuelve un misterio.
¡No! Este es el lenguaje de todo el mundo: el misterio...
¿Qué misterio?
Los poetas son apenas reservados, son apenas...
Perturbados y capciosos.


VI

Del aire cae un pájaro, despacio, muy despacio.
Y no se mueven los taciturnos árboles.
¡Estío!
No se vem agitarse los árboles, en bloque, o en los arcos, grabados...
¡Lapa elegante! Sol hosco, paisaje mañanero.
La gente del lugar, pobreza y riqueza, todavía recogida.
Aquí, una ventana discreta que se abre, oscura, ciega.
Allí otra cerrada.
Y esta altenancia, bastante irregular, se va repitiendo, se repite...

¡Y yo, ay yo! prisionera, siempre prisionera; ¡tan enfadada!


(In Revista de Portugal, n. 3, 1938)



PEQUENOS POEMAS MENTAIS

Mental: nada, ou quase nada sentimental.

I

Quem não sai de sua casa,
não atravessa montes nem vales,
não vê eiras
nem mulheres de infusa,
nem homens de mangual em riste, suados,
quem vive como a aranha no seu redondel
cria mil olhos para nada.
Mil olhos!
Implacáveis.
E hoje diz: odeio.
Ontem diria: amo.
Mas odeia, odeia com indômitos ódios.
E se se aplaca, como acha o tempo pobre!
E a liberdade inútil,
inútil e vã,
riqueza de miseráveis.


II

Como sempres, há-de-chegar, desde os tempos!
Vozes, cumprimentos, ofegantes entradas.
Mas que vos reunirá, pensamentos?
Chegais a existir, pensamentos?
É provável, mas desconfiados e inválidos,
Rosnando estúpidos, com cães.

Ó inúteis, aquietai-vos!
Voltai como os cães das quintas
ao ponto da partida, decepcionados.
E enrolai-vos tristonhos, rabugentos, desinteressados.


III

Esse gesto...
Esse desânimo e essa vaidade...
A vaidade ferida comove-me,
comove-me o ser ferido!

A vaidade não é generosa, é egoísta,
Mas chega a ser bela, e curiosa!
E então assim acabrunhada...
Com franqueza, enternece-me.

Subtil
A minha m]ao que, julgo, ridiicularizas,
de que desconheces a suavidade,
cerra-te pacificamente os olhos
e aquieta benignamente o ar.
Paira sobre a tua cabeça, móbil, branda,
na prática de um velho rito,
feminil, piedoso, desconhecido e inconfesso.


IV

Ó luxúria brutal, perversa e felina,
dos outros, alheia,
sem pensamentos nem repouso!
retira-me da frente o venenoso cálice,
a tua peçonha adocicada.
Que a morte, o nirvana, a indiferença
dos longuíssimos anos sem sobressaltos, me retome.

Abro os braços e meço: cá, lá... cá, lá...
solidão,, infinita solidão!
E neste movimento, neste balouço, adormeço,
Cá, lá... morte, vida... morte, vida...
Todas as ausências, todas as negações.


V

Os poetas cumprimentam-se, delicados.
Cada um como seu metro, o seu espírito, a sua forma;
as suas credenciais...
Mas são simpáticos os poetas!
Sensíveis, femininos, curiosos.
Envolve-os um mistério.
Não! Esta é a linguagem de toda gente: o mistério...
Que mistério?
Os poetas são apenas reservados, são apenas...
perturbados e capciosos.


VI

Cai um pássaro do ar, devagar, muito devagar.
E as árvores soturnas não se mexem.
Estio!
Não se vêem bulir as árvores, em bloco, ou aos arcos,, estampadas...
Elegante Lapa! Sol fosco, paisagem de manhã.
A gente do sítio, pobreza e riqueza, ainda recolhida.
Aqui, uma janela discreta que se abre, preta, cega.
Ali outra fechada.
E esta alternância, bastante irregular, vai-se repetindo, repete-se...

E eu, ai eu! Prisioneira, sempre prisioneira; tão enfadada!


(In Revista de Portugal, n. 3, 1938)



MEADOS DE MAIO

Chuvoso maio!

Deste lado oiço gotejar
sobre as pedras.
Som da cidade ...
Do outro via a chuva no ar.
Perpendicular, fina,
Tomava cor,
distinguia-se
contra o fundo das trepadeiras
do jardim.
No chão, quando caía,
abria círculos
nas pocinhas brilhantes,
já formadas?
Há lá coisa mais linda

que este bater de água
na outra água?
Um pingo cai
E forma uma rosa...
um movimento circular,
que se espraia.
Vem outro pingo
E nasce outra rosa...
e sempre assim!


Os nossos olhos desconsolados,
sem alegria nem tristeza,
tranquilamente
vão vendo formar-se as rosas,
brilhar
e mover-se a água...



JEITO DE ESCREVER

Não sei que diga.
E a quem o dizer?
Não sei que pense.
Nada jamais soube.

Nem de mim, nem dos outros.
Nem do tempo, do céu e da terra, das coisas...
Seja do que for ou do que fosse.
Não sei que diga, não sei que pense.

Oiço os ralos queixosos, arrastados.
Ralos serão?
Horas da noite.
Noite começada ou adiantada, noite.
Como é bonito escrever!

Com este longo aparo, bonitas as letras e o gesto - o jeito.
Ao acaso, sem âncora, vago no tempo.
No tempo vago...
Ele vago e eu sem amparo.
Piam pássaros, trespassam o luto do espaço, este sereno luto das
horas. Mortas!

E por mais não ter que relatar me cerro.
Expressão antiga, epistolar: me cerro.
Tão grato é o velho, inopinado e novo.
Me cerro!

Assim: uma das mãos no papel, dedos fincados,
solta a outra, de pena expectante.
Uma que agarra, a outra que espera...

Ó ilusão!
E tudo acabou, acaba.
Para quê a busca das coisas novas, à toa e à roda?

Silêncio.
Nem pássaros já, noite morta.
Me cerro.
Ó minha derradeira composição! Do não, do nem, do nada, da ausência e
solidão.


Da indiferença.
Quero eu que o seja! da indiferença ilimitada.
Noite vasta e contínua, caminha, caminha.
Alonga-te.
A ribeira acordou.











Textos extraídos de la obra POETAS PORTUGUESES Y BRASILEÑOS - DE LOS SIMBOLISTAS A LOS MODERNISTAS; organización y estúdio introductorio: José Augusto Seabra. Buenos Aires: Instituto Camões; Editora Thesaurus, 2002. 472 p. ISBN 85-7062-323-2

Agradecemos ao Instituto Camões a autorização para a publicação dos textos, em parceria visando a divulgação da literatura de língua portuguesa em formato bilíngüe na web.