BUSCAR POETAS (A LA IZQUIERDA):
[1] POR ORDEN ALFABÉTICO NOMBRE
[2] ARCHIVOS 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª 6ª 7ª 8ª 9ª 10ª 11ª 12ª 13ª 14ª 15ª 16ª 17ª 18ª 19ª 20ª y 21ª BLOQUES
[3] POR PAÍSES (POETAS DE 178 PAÍSES)

SUGERENCIA: Buscar poetas antologados fácilmente:
Escribir en Google: "Nombre del poeta" + Fernando Sabido
Si está antologado, aparecerá en las primeras referencias de Google
________________________________

lunes, 4 de marzo de 2013

MARIA CARPI [9448]




MARIA CARPI

Nació en Guarapé, Estado do Rio Grande do Sul, BRASIL en 1939. Poeta, Abogada, Magistrada estatal. Reside em Porto Alegre.

PREMIOS RECIBIDOS: 
- Prêmio Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA) Revelação em Poesia 
(1990) pela obra “Nos Gerais da Dor”; 
- Prêmio Erico Verissimo da Câmara Municipal de Porto Alegre/RS (1991), 
- Prêmio Açorianos de Literatura na categoria poesia pela Secretaria 
Municipal de Cultura de Porto Alegre/RS (1996) pela obra “Os Cantares da 
Semente”; 
- Menção Honrosa no Prêmio Casa de las Américas/Cuba (1999) pelo inédito “As Sombras da Vinha” 
- Finalista do Prêmio Jabuti/2001 da Câmara Brasileira do Livro, categoria 
Poesia, pela obra “A Migalha e a Fome”

BIBLIOGRAFÍA (OBRA INDIVIDUAL): 
- NOS GERAIS DA DOR, 1990. Movimento, Porto Alegre. 
- DESIDERIUM DESIDERAVI, 1991. Movimento, Porto Alegre. 
- VIDÊNCIA E ACASO, 1992. Movimento, Porto Alegre. 
- OS CANTARES DA SEMENTE, 1996. Movimento, Porto Alegre. 
- A MIGALHA E A FOME, 2000. Editora Vozes, Petrópolis/RJ

ANTOLOGÍAS: 
- PEQUENA ANTOLOGIA, 1992. Coleção Petit POA. Secretaria Municipal de Cultura/POA, 199 
- CADERNO DAS ÁGUAS,  WS Editor, Porto Alegre/RS, 1998




Extraídos de
ANTOLOGÍA DE LA POESÍA BRASILEÑA
Org. y traducción de Xosé Lois García
Santiago de Compostela: Edción Loiovento, 2001.


EN LO COMÚN DEL DOLOR
POEM a 27

Si un pájaro no tuviese alas,
sería uma bala deflagrada, alta
noche, cirio incendiado, pero un
insustentable sollozo en el mar, si
un pájaro no tuviese alas, se
arrojaría contra la soledad,
contra el peso, contra la losa de
si mismo, hasta que la inmensidad
exiliada estuviera, dentro,
desmedida, revuelta, sin alas.

         Nos Gerais da Dor, 1990.





POEMA 7 DEL CANTO A LA FRUTA
DESIDERIUM DESIDERAVI

Sé con plena exactitud
todo lo que no sé. Amo

con pasión extrema todo
lo que no amé. En vez de

anunciar, voy a cumplir un
rostro en la multitud. Reunirlo.

No como las frutas en um cesto,
pero como las simientes en el fruto.


               Desiderium desideravi, 1991







                                LOS PANES

                   Yo soy hija del interior
                  
                   donde los panes no fermentan
                   con cúmulos del azar,

                   sino con artesanal virtud
                   desde la luz del trigo

                   a la luz del hambre. Donde la
                   harina y el agua están
                  
                   a la flor de piel. Donde no
                   se prepara el grano

                   para la boca, sino que la boca
                   madura para el grano.

                   El trigo de allí no sube,
                   sino que desciende de entre nosotros.

                   El pan de allí no sólo
                   sustenta, sino que profiere

                   la palabra que duerme en el
                   apetito.  El pan escucha.

                                   Videncia e acaso, 1992.
                  






                  POEMA 29 –
                   SIMIENTE EM MI

                   Un hálito de estación fugada,
                   de madurez dejada
                   a la ventana, impone templanza
                   en mí, en igualdad
                   de piel, porque ojos
                   no me vieron, ni manos

                   me cogieron. Las uvas
                   donde el tiempo espuma.

                            Os Cantares da Semente, 1996.





NOS GERAIS DA DOR
POEMA 27

Se um pássaro não tivesse asas,
seria uma bala deflagrada, alta
noite, tocha incendiada, mais um
insutentável soluço no mar, se
um pássaro não tivesse asas, se
arremessaria contra a solidão,
contra o peso, contra a laje de
si mesmo, até que a imensidão
exilada lhe estivesse, dentro,
desmedida, revolta, sem asas.

                   Nos Gerais da Dor, 1990.






POEMA 7 DO CANTO À FRUTA
DESIDERIUM DESERAVI

Sei com exatidão plena
Tudo o que não sei. Amo

com paixão extrema tudo
o que não amei. Em vez de

anunciar, vou cumprir um
rosto na multidão. Reuni-lo.

Não como as frutas num cesto,
Mas como as sementes no fruto.







OS PÃES

Eu sou filha do interior

onde os pães não levedam
com acúmulos do acaso,

mas artesanal virtude
desde a luz do trigo

à luz da fome. Onde a
farinha e a água estão

à flor da pele. Onde não
é o grão que se prepara

para a boca, mas a  boca
que amadurece para o grão.

O trigo dali não sobe,
mas desce-entre-nós.

O pão dali não apenas
sustenta, mas profere

a palavra que dorme na
aparência. O pão escuta.

                                               Videncia e acaso, 1992.







                            POEMA 29 –
                            SEMENTE EM MIM

                            Um bafo de sazão fugada,
                            de madureza deixada
                            a esmo, põe temperança
                            comigo, em igualdade                 
                            de pele, porque olhos
                            não me viram, nem mão

                            me colheram. As uvas
                            onde o tempo espuma.

                                               Os cantares da semente, 1996





CARPI, Maria.  A força de não ter força.  São Paulo: Escraituras Editora, 2003.  109 p.  14x21 cm.  ISBN 85-7531-078-X   Impresso em papel chamois 80g/m2. Edior: Raimundo Gadelha.  Capa: Reginaldo Barcellos. Col. A.M. 


Amor, essa fora de não
ter força; essa paz

dando a pez; esse rosto
incandescente, nunca

lido, que se sobrepõe
aos demais e reluta

quando todos fenecem
e mais se aviva, encoberto.






Vou sair de mim, sair
da cidadela do corpo,
sair do corpo do mundo

para entrar. Distancio-me
de onde estou a chegar
perto do amor, onde sou.

Não fui eu a crescer
nessa maré de líquens
e assombro. Outro ser,

como o leito de um rio,
deslocou minhas carnes
e propósitos. Fui-lhe

ventre e sudário. Em mim,
amor morto e amor vivo.
Agora servem-me a ceia.





A LAVOURA DA FOME – poema 10

Não sou eu que tem fome. 
É a fome que me tem. 
Ela me apura, hóstia, em

sua boca. Ela me salitra 
a temperança para devolver-me 
à fermentação, contra a cupidez.

A fome é o meu outro, escumoso. 
Não vim ao mundo para saciá-la, 
mas acendê-la, contra a cupidez.

E da fome me retiro, fatia, 
para que ela seja inteira. 
A fome, contra a cupidez,

também se retira em funduras, 
para que o alimento esplenda 
como um sol saído das vagas.

Não mais o impulso ao avesso, 
não mais a seta e o batimento 
nos ares. Apenas todo o Fruto.

(A Migalha e a Fome)


1 comentario:

sandra santos dijo...

gracias, Maria Carpi é uma grande poeta de meu estado!

abraço.